16 de jan de 2011

Telhados Ecológicos

Muito se fala sobre as tais coberturas verdes, que mais parecem jardins suspensos. Mas por que elas ganham tantos adeptos? Para um sistema de fácil instalação e custo viável, o resultado surpreende e a lista de vantagens é extensa. Sobre a estrutura impermeabilizada do telhado ou da laje, colocam-se manta de proteção antirraízes, manta de retenção de nutrientes, terra adubada e plantas que exijam poucos cuidados em relação a água, poda e nutrição. "A camada de terra e vegetação funciona como um filtro de calor ou de frio, mantendo a casa fresca no verão e agradável no inverno", diz a arquiteta Karla Cunha, de São Paulo.

Esse conjunto barra ruídos que vêm de fora e ainda pode virar uma área de lazer, dependendo da inclinação da cobertura e do peso que suporta. Além dos benefícios para os moradores, o planeta sai lucrando, pois telhados verdes diminuem a concentração de calor nas grandes cidades e ajudam a reduzir os riscos de alagamento, já que a água da chuva escoa mais lentamente. Veja os detalhes no infográfico, que traz outra possibilidade de cobertura ecológica: a argila expandida.


ABSORÇÃO DE ÁGUA


O telhado verde substitui parte do solo permeável ocupado pela casa. Assim, a drenagem da chuva acontece em ritmo lento, evitando enchentes em locais cobertos de asfalto, cimento ou piso cerâmico, que não absorvem a água.

SISTEMA MODULAR

É instalado sobre uma membrana de retenção de nutrientes e uma membrana antirraízes colocadas sobre o telhado ou a laje impermeabilizada. É vendido por empresas como Ecotelhado (veja método na ilustração), Instituto Cidade Jardim e Sky Garden a partir de R$ 90 o m2 colocado.

SISTEMA EM CAMADAS

O engenheiro calcula o peso que o telhado pode suportar. Então a equipe da obra monta a cobertura verde.

ARGILA EXPANDIDA

Oferece isolamento termoacústico em lajes impermeabilizadas. Na versão mais simples (ilustração acima), leva apenas brita e argila expandida. Mas pode incluir também areia, terra e plantas.




PLANTAS QUE VÃO BEM NA COBERTURA



• Grama-esmeralda (Zoysia japonica)

Resistente ao pisoteio, é um dos tipos mais rústicos entre as gramíneas. Para que fique viçosa, depende de rega quando a chuva for insuficiente. Adubação semestral e poda periódica a mantêm homogênea.






• Grama-amendoim (Arachis repens)

Proporciona forração densa, com flores amarelas em boa parte do ano. É mais indicada para áreas sem pisoteio, dispensa podas regulares e suporta períodos de seca, embora sofra com geadas.






• Carpete-dourado (Sedum acre)

Espécie de suculenta (planta capaz de armazenar água) de baixo porte que sobrevive bem em solo raso e exige cuidados simples: dispensa poda, exige água e aguenta períodos de seca, mas não pisoteio.





• Echevéria (Echeveria glauca)

Rústica como toda a família das suculentas, pode ser tratada como a carpete-dourado, com regas apenas em caso de seca prolongada, sem exigir poda. Pede adubação semestral e não resiste a pisoteio.







• Cacto-margarida (Lampranthus productus)

A planta rasteira da família das suculentas floresce durante a primavera e o verão. Encara o clima frio, mas não o pisoteio. Exige água apenas nos dias mais secos e adubação semestral.










• Azulzinha (Evolvulus glomeratus)

Essa espécie rasteira, com flores pequenas que duram quase o ano todo, não suporta pisoteio nem temperaturas baixas. Requer podas esporádicas e regas frequentes para manter flores e folhas viçosas.







OPTE POR MODELOS DE TELHAS MAIS SUSTENTÁVEIS

Ter um telhado de bem com o planeta está cada vez mais fácil. Se você acha que instalar uma cobertura verde ainda é muito complexo, saiba que há outras opções ecológicas, como as telhas feitas de materiais reciclados e aquelas produzidas com fibras vegetais e compostos químicos. Elas são resistentes e oferecem bom isolamento termoacústico. Outra alternativa está nas telhas cerâmicas de cor branca, que refletem até 80% do calor e, por isso, geram economia de energia (já que reduzem a necessidade de ventiladores e ar-condicionado) e ainda combatem o aquecimento global. Tanto é verdade que o Green Building Council (GBC) Brasil, entidade que atua para promover a construção sustentável no país, lançou a campanha One Degree Less ("um grau a menos") para divulgar a prática dos telhados brancos.








"Pode-se usar as peças brancas, mas também dá para pintar as já existentes ou a laje com tintas térmicas especiais, vendidas em lojas de material de construção", explica Marcos Casado, gerente técnico do GBC Brasil. Um exemplo é a Metalatex Eco Telha Térmica, da Sherwin-Williams, que sai por R$ 169,90 a lata de 18 litros na Leroy Merlin. A seguir, três modelos de telhas ecológicas.









1. A Onduline Clássica Tradicional (2 x 0,95 m) é feita de fibras vegetais misturadas a betume e resina especial, que agem como impermeabilizantes e conservantes. Em verde, vermelho, preto e marrom, as peças são leves (6,4 kg) e de fácil instalação. Na cor marrom, cada telha custa R$ 31,90 na C&C







2. O modelo da Ecotop (2,20 x 0,90 m) é resultado da reciclagem de embalagens de creme dental. Pesa 14 kg, é durável e simples de instalar. R$ 32









3. Da TopTelha, a Mediterrânea Pérola é ideal para compor telhados brancos, que mantêm a casa mais fresca. Por ser maior do que a média de mercado (a telha mede 41,8 x 24,9 cm), pede menos peças por m², gerando economia. Na Leroy Merlin, por R$ 1,95 cada







SAIBA COMO DEIXAR O TELHADO MAIS LEVE E ECONÔMICO

O tipo e o tamanho da telha influenciam a estrutura da cobertura: modelos grandes pedem menos madeiramento, o que conta pontos para uma obra mais ecológica e econômica. "Alguns fabricantes de produtos cerâmicos estão apostando nisso e fazendo peças maiores", diz o engenheiro civil Sergio Patricio Lima, de Cotia, SP. O tamanho é ainda mais significativo no caso de telhas de outros materiais: "Há uma boa redução no consumo de madeira por m² quando se usam modelos de chapa, alumínio ou fibrocimento, que proporcionam coberturas mais leves", afirma Mauricio de Almeida, engenheiro da Orbital Estruturas, de São Paulo.

A dica, então, é conversar com seu arquiteto, lembrando que a economia vale tanto para estruturas de madeira quanto de metal ou concreto. Se preferir a madeira - e ela não for nem de reflorestamento nem de demolição -, existem outros cuidados a tomar, como exigir do fornecedor o documento de origem florestal (DOF), emitido pelo Ibama, que garante a procedência legal do produto. Melhor ainda é investir em peças com o selo do Conselho Brasileiro de Manejo Florestal (FSC). Elas custam mais, porém dão a certeza de que sua produção leva em conta a biodiversidade e as populações que dependem da floresta.




Fonte:Planeta Sustentável

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nada de palavrões,insultos e qualquer outra coisa que você não falaria para sua mãe.